O sistema híbrido estabelecido pelo protocolo sanitário prevê que as turmas sejam divididas em dois grupos de revezamento: enquanto em uma semana, metade dos estudantes vão para o ensino presencial, a outra metade segue o conteúdo à distância. Na semana seguinte, os que tiveram aulas presenciais passam para o ensino remoto e vice-versa. Dessa forma, as instituições serão mantidas diariamente com metade da capacidade de atendimento físico, garantindo a adoção de normas de distanciamento.

A Rede Municipal de Ensino possui cerca de 70 mil alunos entre os que frequentam unidades municipais e as Organizações da Sociedade Civil (OSCs) parceiras nos níveis infantil, fundamental, de Educação para Jovens e Adultos (EJA) e do Programa Municipal de Alfabetização de Jovens e Adultos (Pmaja). Para receber esse público, os prédios escolares têm, desde o ano passado, recebido reforço em materiais de biossegurança, como abastecimento de papel toalha, sabonete líquido e álcool em gel, totens e dispensers para facilitar o acesso à higienização e equipamentos para medir a temperatura.

Além disso, cada estudante vai receber um kit com duas máscaras de proteção para o rosto. Os profissionais da Educação já receberam kits com máscaras. Todas as medidas de prevenção à disseminação da Covid-19 foram adotadas considerando as características específicas de cada uma das escolas, o que inclui a implementação de uma rotina de higienização no mobiliário, especialmente na troca de turnos.

 “Cada escola possui uma rede de comunicação com as famílias dos estudantes, por onde irá passar as especificações sobre a volta às aulas, detalhando ainda como se dará o escalonamento dos dias presenciais. Lembramos que pais e responsáveis poderão optar pela permanência de estudantes no ensino remoto, sem risco de penalizações”, ressalta a Secretária Municipal de Educação, Tania Toledo.

Conheça aqui a cartilha do protocolo sanitário para a Educação

Foto: Cleiton Borges – Secretaria Municipal de Governo e Comunicação