Domingo, 28 de Novembro de 2021
19°

Nevoeiro

Uberlândia - MG

Saúde e Bem-estar MG

MG cria comitê para desenvolver políticas para imigrantes e refugiados

MG cria comitê para desenvolver políticas para imigrantes e refugiados

30/09/2015 às 16h31
Por: Adelino Júnior
Compartilhe:
Por meio de decreto, a Secretaria de Estado de Direitos Humanos de Minas Gerais criou o Comitê de Atenção ao Migrante, Refugiado e Apátrida, na manhã desta quarta-feira (30). O objetivo é desenvolver políticas de acolhimento de pessoas, proporcionando atendimento à saúde, educação e condições de trabalho. Há ainda a intenção de se criar uma casa em Belo Horizonte, um ponto de referência, para o diálogo com os estrangeiros. O comitê será formado por 56 membros, sendo 28 pessoas do governo de Minas, e outras 28 da sociedade civil. O secretário de Direitos Humanos, Nilmário Miranda, formalizou um convite à população, que já atua nesta área para compor o comitê. No dia 18 de novembro, haverá a seleção final dos interessados.
No Brasil há 65 mil imigrantes haitianos e 7.000 deles estão na região metropolitana de Belo Horizonte. No país são também 8.500 refugiados, sendo 2.000 deles sírios e deste grupo, 78 vive em Belo Horizonte. Em Minas, Esmeraldas e Contagem, na região metropolitana, são as cidades que mais haitianos. "Esmeraldas hoje tem 1.500 haitianos e tem uma dificuldade de oferecer escola e atendimento de saúde para todos. Precisamos de apoio do governo estadual e federal", pediu o prefeito do município, Glacialdo de Souza. Em reposta, Miranda garante que o comitê dará conta de apoiar os municípios nessas questões. "Para os direitos humanos, o ser humano é um só e o atendimento será igual para todos". Para o professor de Geografia da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG), Durval Fernandes, há muito a se fazer ainda, mas o lançamento do comitê é um grande passo. "Precisamos trabalhar também a xenofobia e o racismo contra esses grupos. É preciso juntar esforços e colocar o assunto como política de estado. Tratar a migração pelo caminho dos direitos humanos, é um passo importante", destacou. Também participaram da roda de conversa dezenas de haitianos e o secretário nacional de Justiça e presidente do comitê nacional para refugiados, Beto Ferreira Martins Vasconcelos. "O numero de refugiados e de imigrantes cresceu bastante nos últimos quatro anos. Precisamos enfrentar este desafio e a parceria com os estados é fundamental". [caption id="attachment_72739" align="aligncenter" width="620"]FormatFactoryimage Moises Silva / O Tempo[/caption] O Tempo
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.