Terça, 28 de Junho de 2022
15°

Alguma nebulosidade

Uberlândia - MG

Saúde e Bem-estar Censo

Censo Agropecuário inicia último mês em campo

Censo Agropecuário inicia último mês em campo

03/02/2018 às 16h00
Por: Adelino Júnior
Compartilhe:
O Censo Agropecuário está na reta final e inicia, em fevereiro, o quinto e último mês de coleta. Até o dia 31 de janeiro, mais de 4,3 milhões de estabelecimentos já foram visitados em todo o país, o que representa 83,3% do total estimado. A pesquisa estará em campo até 28 de fevereiro.   Em Minas Gerais, o trabalho segue em ritmo acelerado e dentro do esperado, com mais de 540 mil estabelecimentos já recenseados até 31 de janeiro – 97,3% dos contabilizados no Censo Agropecuário 2006 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  De acordo com o coordenador técnico do Censo Agro no Estado, Humberto Silva, o foco agora é terminar a coleta dos setores censitários ainda em andamento e verificar a cobertura daqueles já concluídos, identificando potenciais estabelecimentos que ainda não foram pesquisados, “além da análise mais apurada da qualidade dos questionários”. Um contingente de mais de 2 mil contratados, entre recenseadores e supervisores, é responsável por realizar a pesquisa em Minas, percorrendo os 556.713 estabelecimentos agropecuários estimados – número que pode variar conforme a realidade encontrada em campo. Em cerca de 150 municípios mineiros o trabalho de coleta regular já foi encerrado. A subárea de Cataguases, na Zona da Mata, é um desses casos. Ela abrange os municípios de Astolfo Dutra, Cataguases, Dona Eusébia, Itamarati de Minas, Miraí, Santana de Cataguases e São Sebastião da Vargem Alegre; e atualmente realiza a crítica dos questionários, a fim de eliminar possíveis inconsistências.  O Censo Agropecuário levanta informações sobre a área, a produção, as características do pessoal ocupado, o emprego de irrigação, o uso de agrotóxicos, a agricultura familiar, entre outros temas. Através desse diagnóstico, é possível realizar o planejamento para atender as demandas tanto da agricultura familiar, como da empresarial, planejar a cadeia do agronegócio – como transporte, escoamento, armazenamento, processamento da produção –, além de subsidiar informações para investimentos dos setores público e privado. O andamento da coleta do Censo Agro pode ser acompanhado pelo site: https://censos.ibge.gov.br/agro/2017/acompanhamento-da-coleta.html. Os produtores que ainda não receberam a visita do recenseador podem agendar a aplicação da pesquisa indo pessoalmente ao posto de coleta do IBGE no município ou pelo telefone. O contato das agências do Instituto está disponível em: https://www.ibge.gov.br/novoportal-atendimento.html Curiosidades         Minas Gerais é o segundo estado com o maior número de estabelecimentos agropecuários estimados no país, ficando atrás somente da Bahia.          Apesar de ser predominantemente urbana, a cidade de Belo Horizonte também está inserida no Censo Agropecuário, por conta da horticultura. Fazem parte da pesquisa a produção de hortaliças nas chamadas “fazendas urbanas” em regiões como Barreiro, Leste, Nordeste e na divisa com Sabará e Santa Luzia.          Ainda em Belo Horizonte, as “fazendas urbanas” podem ser encontradas em locais inusitados. Um deles é um shopping center da capital mineira, onde o produtor montou estufas para o cultivo de hortaliças.         O Censo Agropecuário também investiga a produção em comunidades específicas, como quilombolas e indígenas. Em Minas Gerais, há registro de sete aldeias indígenas e 29 territórios indígenas, concentrados nas regiões Norte e Leste do Estado (por exemplo, no município de São João das Missões, segundo dados de terras indígenas regularizadas pela Funai).         O Censo Agropecuário 2017 incluiu a identificação e individualização de novas culturas e produções agropecuárias no questionário (antes contabilizadas na categoria de outros produtos), devido ao crescimento da importância e aumento da produção desses cultivos.  No caso dos produtos relevantes para Minas Gerais, em relação à extração vegetal, foram acrescidos: araticum, baru, cagaita, macaúba e umbu.  Para as lavouras foram inseridos a amora e a azeitona, além da palma forrageira – produto importante na região do semiárido, utilizado como alimentação para o gado. 
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.