Domingo, 22 de Maio de 2022
14°

Alguma nebulosidade

Uberlândia - MG

Saúde e Bem-estar GPT

GPT e PM impedem assalto a Banco

GPT e PM impedem assalto a Banco

07/01/2013 às 10h20
Por: Adelino Júnior
Compartilhe:
Parte de uma perigosa quadrilha que já pode ter agido em Ituiutaba foi presa. Outros 3 estão sendo perseguidos no mato. Esses bandidos protagonizaram ações terríveis em Minas Gerais e Goiás. O serviço de inteligência da Polícia Militar de Goiás apurou que estava sendo preparado um assalto para esta primeira semana do ano na agência do Banco do Brasil de Doverlândia. Isso fez com que o Grupo de Patrulhamento Tático (GPT) de Iporá fosse escalado para uma ação naquela cidade. Lá chegaram na quarta-feira, 2, para um trabalho associado à PM de Doverlândia.
A busca pelo acampamento dos bandidos GPT e PM começaram a monitorar os arredores da cidade, onde bandidos costumam preparar esses assaltos. Em patrulhamento do GPT, por meio de seus integrantes (Comandante Cabo Wagner e os soldados Da Silva, Marcos e Hugo César), na região do Córrego Macaúba, deparou com um Fiat Punto de cor branca, o qual, ao avistar o policiamento evadiu do local, na direção de Caiapônia.
A equipe do GPT, com apoios das PMs de Doverlândia e de Caiapônia, fez um cerco ao veículo na entrada desta última cidade, constatando tratar-se de elementos suspeitos e com passagem pela polícia, em autoria de assaltos nos últimos 3 meses e que estavam de posse de veículo um furtado.  Tratavam-se  Eduardo de Oliveira Santos, vulgo Alface, de 20 anos, natural de Ituiutaba. Desta mesma cidade era seu acompanhante, Lucas Valadares da Silva, de 19 anos. No dia 26 de dezembro, esses dois fizeram parte da quadrilha que fez um assalto em banco na cidade de Gouverlândia, quando desferiu tiro no pescoço de um guarda.  Outro crime deles foi o recente furto de uma pick up e de um saveiro, com os quais assaltaram a agência dos Correios de Riberãozinho (MT), ação na qual feriram um militar mato-grossense.
Confronto com tiros Ao serem presos na entrada de Caiapônia os meliantes confessaram que estavam acampados  próximo à Fazenda Santa Maria, nas margens do Córrego Macaúba.  Diante dessas informações e  com o objetivo de evitar um confronto armado dentro da cidade de Doverlândia, quando da hora do programado assalto ao banco, as equipes do GPT e as de apoio, deslocaram para uma operação policial no local. A 600 metros da sede da fazenda, depararam com a camionete GM D-10, de cor verde, ocupada pelo restante da quadrilha: Alberto Morais, conhecido como Goiano, de 36 anos; Sebastião Neto, de 18 anos e Elson, conhecido como Bacadinha e ainda Libertino Nunes Morais, o Morais, um senhor de 52 anos, gerente da fazenda, e que estava dando um apoio logístico para o assalto planejado.  O confronto com os meliantes foi de troca de tiros em plena noite de quinta-feira. Eles fugiram para o mato, deixando o veículo. O gerente da fazenda foi preso.
Na fuga, os bandidos deixaram cair um fuzil calibre 762 de uso exclusivo das Forças Armadas, uma cartucheira 28 e uma Flaubert calibre 22. O acampamento dos meliantes foi encontrado, onde havia farto material destinado a uso em assaltos: banana de dinamite, munições de diversos calibres, colete balístico, estopins de detonação, alabanca para arrombar caixa eletrônico e vários relógios que eram frutos de assalto a joalheria.
Buscas continuam As diligências na zona rural continuam sendo feitas por várias equipes da PM, inclusive, de Mato Grosso. O 12º BPM coordena esse trabalho. A qualquer hora pode ocorrer a prisão de algum dos 3 que estão em fuga, ora embrenhados na mata.   O fato positivo é que, de fato, era verdadeira a informação de que haveria assalto na agência do Banco do Brasil de Doverlândia. A ação preventiva impediu isso. Os 3 que foram presos estão no presídio de Caiapônia. Lucas e Sebastião Neto: presos. Também ficou detido um gerente de fazenda: Libertino Nunes Equipe do GPT: Cabo Wagner (comandante) e soldados Da Silva, Marcos e Hugo César
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.