Quinta, 28 de Outubro de 2021
26°

Nuvens esparsas

Uberlândia - MG

Saúde e Bem-estar Governo

Governo bancou Mineirão com R$ 44 milhões

Governo bancou Mineirão com R$ 44 milhões

03/02/2014 às 09h21
Por: Adelino Júnior
Compartilhe:
image Apesar de a parceria com o Cruzeiro ter representado a maior parte da renda bruta de bilheteria de aproximadamente R$ 54,9 milhões no novo Mineirão em seu primeiro ano de funcionamento, a concessionária Minas Arena, que administra o estádio, operou no vermelho. Com isso, o governo do Estado precisou arcar com o montante de R$ 44,4 milhões em 2013 para cobrir o prejuízo da empresa. O valor se refere ao lucro mínimo de R$ 3,7 milhões mensais assegurado pelo Estado ao consórcio, conforme está previsto no contrato de parceria público-privada (PPP). O secretário de Estado de Turismo e Esportes, Tiago Lacerda, explicou que os pagamentos públicos aconteceram em conformidade com o modelo do edital, ou seja, a quitação da parcela complementar foi integral nos 12 meses do primeiro ano de operação. “Como previsto para os primeiros anos de operação, a Minas Arena não alcançou um resultado financeiro que permitisse compartilhamento de receitas”, frisou o secretário. Segundo ele, no contrato, o governo compartilha os lucros com a Minas Arena, mas não compartilha prejuízos. “Todos os prejuízos são arcados, exclusivamente, pela Minas Arena. Essa é uma das grandes vantagens deste modelo de PPP. O governo não precisa se preocupar se o equipamento não der lucro. Ou seja, isso não ensejará em pagamentos superiores aos já previstos”, acrescenta Lacerda, que reforça que o Estado “nunca terá prejuízo”. De acordo com o secretário, se o Estado pagar as parcelas integrais durante toda a concessão, ele pagará o valor teto de R$ 677,3 milhões. Ao fim, segundo Lacerda, dos 25 anos de concessão, o Estado terá desembolsado menos do que custou a obra. Satisfeita. “Não dá para quantificar, mas foi um ano bom financeiramente para a Minas Arena e o Cruzeiro”, afirmou Severiano Braga, gerente de operação da Minas Arena. Segundo ele, esse primeiro ano serviu como aprendizagem para todo mundo. “Todo jogo tem sua dificuldade. Felizmente, nenhum problema ocorreu duas vezes, e o Mineirão foi bastante testado em 2013”, completou o gerente. A Minas Arena informa que está satisfeita com os contratos firmados com seus parceiros – Cruzeiro e América – e os produtores de eventos que já ocorreram no estádio. A concessionária destacou que estará sempre disposta a aprimorar cada vez mais a operação do Mineirão para proporcionar ao torcedor momentos inesquecíveis no Gigante da Pampulha. Questionada se teve lucro ou prejuízo mensal neste primeiro ano, a Minas Arena informou que não comenta suas negociações comerciais. Com shows e grandes jogos, estádio recebeu 1,2 milhão Reinaugurado no dia 3 de fevereiro do ano passado, o novo Mineirão chega ao seu primeiro ano com números que impressionam. O estádio foi palco de 33 jogos (considerando o jogo da estreia do Cruzeiro neste ano) e cinco shows. O público total estimado ultrapassou a marca de 1,2 milhão de pessoas. Os destaques foram as apresentações dos cantores Elton John e Paul McCartney, da cantora Beyoncé, das bandas de rock Black Sabbath e Magadeth e do show Axé Brasil. Desde a reabertura do Gigante da Pampulha, marcada pela vitória do Cruzeiro por 2 a 1 sobre o Atlético, em jogo do Campeonato Mineiro, já foram anotados 109 gols no estádio. Chamam a atenção as conquistas do Mineiro e da Libertadores pelo Galo e as grandes apresentações cruzeirenses na campanha do tricampeonato brasileiro. Somente com a bilheteria de jogos, o Mineirão obteve uma renda superior a R$ 54,9 milhões, destaque para a final da Copa Libertadores entre Atlético e Olimpia, que proporcionou um lucro de R$ 14,1 milhões. O estádio recebeu três jogos da Copa das Confederações, que não tiveram rendas divulgadas pela Fifa. O Tempo
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.