Núcleo de Apoio à Vida – NAVIUBER – CVV é considerado de Utilidade pública em Uberlândia

O Projeto de Lei Ordinária - 00151/2021 - np – Projeto de Lei Nº. 087/21 – de autoria do vereador Leandro Neves, que considera de utilidade pública o Núcleo de Apoio à Vida - NAVIUBER.

0
Anúncio

De acordo com a justificativa da proposta, o projeto tem por objetivo a declaração de utilidade pública do Núcleo de Apoio à Vida – NAVIUBER – CVV. Esse Centro de Valorização da Vida, fundado em São Paulo (1962), é uma associação civil sem fins lucrativos, filantrópica, reconhecida como de utilidade pública federal desde 1973.

O centro presta serviço voluntário e gratuito de apoio emocional e prevenção do suicídio para todas as pessoas sob total sigilo e anonimato. A instituição é associada ao Befrienders Worldwide que congrega entidades congêneres de todo o mundo. Participou da força tarefa que elaborou a Política Nacional de Prevenção do Suicídio (Ministério da Saúde) com quem mantém, desde 2015, um termo de cooperação para a implantação de uma linha gratuita nacional de prevenção do suicídio.

Leandro Neves.

O autor da proposição conta que por aqui o centro atua desde novembro de 2019. Ele explica que existe uma mantenedora, Núcleo de Apoio à Vida de Uberlândia (NAVIUBER), com personalidade jurídica, para viabilizar todo o trabalho desenvolvido no município, sustentado pelos voluntários e pela comunidade por meio de contribuições e doações.

O vereador reitera que o núcleo tem como característica principal o anonimato por parte da pessoa que procura o serviço e o sigilo da conversa, realizada de forma gratuita, 24h por dia, todos os dias do ano.

“O Núcleo de Apoio à Vida – NAVIUBER – CVV – tem a sua sede localizada na Rua Olegário Maciel, 122 – Centro – UberlândiaMinas Gerais – onde está em pleno e regular funcionamento desde a sua inauguração. Os seus membros não são remunerados pelo exercício específico de suas funções, todos exercem trabalho voluntário. O núcleo não distribui resultados, dividendos, bonificações, participações ou parcelas do seu patrimônio”, finaliza Leandro Neves.

O projeto foi aprovado por votação simbólica. Maioria simples.